Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Textos

CORDÉ DO AMÔ – concordano com Airão Ribêru, qui é muitio compricadu...
 Lílian Maial


O amô é uma duença,
nos ataca pelas costa,
faz qui é tudo só querença,
qui de tudo o cabra gosta,
mai basta num concordá
com o qui seu mestre mandá,
pra virá tudo uma bosta.



O amô faz nós surri,
um surriso de ilusão,
meusamô daqui e dali,
meu benzim, minha paixão,
mai deixa um homi espiá,
pramodi ti namorá,
qui vai tudo pelo chão.


O amô tem u desejo,
de vivê sempre du ladu,
i cumeça co’o tar beijo,
deixa os dois apaixonadu,
inté qui'ôtra boca surge,
num há flô qui nunca murche,
esse vaso tá rachado!


O amô é tão bunito,
Nasce lindo com' anjinhu,
Faz o coração aflitu,
Si separa o seu caminhu,
Mas ele mostra a feiúra,
Num momento di lorcura,
Se u ciúme é seu padrinho.


O amô é um ancião,
é palhaço bem manjadu,
engambela a multidão,
Faz du isperto um atolado,
Mai todo mundo qué tê
Um amô inté morrê,
Êta truque bem forjado!


O amô engana u tempo,
jura qui num tem mais fim,
Tudo é só contentamento,
Si ocê tá juntu di mim,
o chato é quandu si casa,
u carim pra sempre atrasa,
Tem criança no meín...



O amô é tudi bom,
como é bom fazê cordé,
pur isso é sempre bom tom,
num arriscá sem tê fé,
Qui esse troço é traiçuêru,
Ninguém sabe quem primêru,
Lá pra traiz deixô o pé...


O amô tem seus percalçu,
todo dia é posto ‘a prova,
tem muié cum fio falso,
corôa flertando a nova,
bunito é só u cumeço,
Adispois vem os tropeço,
Se é cumigo, leva sova!



O amô num tem idadi,
ama, o gato, a quarentona,
E co’a maió liberdadi,
Ama, o véio, a gostosona,
O difíci é qui nem nóis,
Cá debaixu dus lençõis,
Disgrudá da maratona!



O amô num tem frontêra,
filicidadi qui encanta,
posso num sê brasilêra,
mas sutaque num ispanta,
só num vai miscigená,
purquê eu viro carcará,
navaia na coxa canta!



O amô é todu intrega,
ce dá tudo qui ocê tem,
dá o céu, dá as estrêla,
dá o cume, sem porém,
adispois di tanto dá,
si num tem pro ladicá,
vai pagá cum u teu tumém...



O amô é sorratêro,
chega bem divagarinhu,
treme u corpo pur intêro,
ti derreti direitinhu,
mas na hora di acabá,
é baruio di matá,
dessa frô só fica u ispinhu.



Meus amigo du RECANTO,
num credita nas palavra
di poeta aqui mangano,
só brincano de sê brava,
qui o amô é alimentu,
seje alegre ou sufrimentu,
nasce em mim i num si acaba!


********
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 16/01/2008
Alterado em 16/01/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet