Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Textos


ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
Lilian Maial


Essa fuligem caiu de mansinho.
Inodora, adentrou as narinas,
desceu aos pulmões, ganhou a corrente sanguínea.
Todos os órgãos chamuscados
e os olhos cinzentos.
Falta o ar, pesa o ar,
e se tenta esfregar as pálpebras.
Não sai, a fumaça densa não sai!
Quer ver o céu? Voar?
Fingir de bailarina?
Os pés têm chumbo,
têm cinzas.
As asas pesam.
Falta o ar.
Essa fuligem infiltrou pelos ouvidos,
calou a música e as tolas palavras verdes.
Deixou um zumbido, uma rajada,
uma cera espessa a escorrer pelo pescoço.
Mancha de chumbo o colo.
Não há mais rosa, não há mais cor.
Só o cinza plúmbeo domina a paisagem.
Essa fuligem chegou à boca
com gosto de medo.
O grafite das paredes enrijecendo as artérias.
O verbo se esconde no pálato.
A cinza mudez contamina as papilas
e a voz se faz rangido.
Essa fuligem assentou nos ossos,
congelou os dedos de tocar nos dedos,
fraturou os braços de abrigar abraços,
paralisou de cinza o caminhar.
Estático o contorno do amanhã cansado.
Cinza, como essa fuligem.

********
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 24/05/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet