Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Textos


A PAZ
®Lílian Maial
 
 

Quando as almas se despedem,
num murmúrio branco,
os lábios cerram as possibilidades de canção.
Num segundo, a vida.
Simples é a morte.


Não apraz.
 
Há uma pressa de cuspir espinhos.
É preciso sorver o grito repetidas vezes,
atear o medo na manhã de sonhos violados.
 
A paz é fugaz.
Fica o caos na cegueira pacífica.
A mão que acena é a que condena,
revolve o coágulo ressequido da gangrena,
pulveriza o ranço dos dias feridos de futuro.
 
A paz não tem paz.
No meio do dia, o réquiem soturno da noite.
Silêncio de flor e pedra.
Voo maculado de uma pomba.


Manhã natimorta.
Os ossos da cidade recolhem restos de fortuna,
Pathos putrefatos de promessas.

Perdem-se no poente do tempo
os olhares da multidão, corveando mazelas,
que a paz é feita em cacos do passado.


************
 
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 16/04/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet