Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Textos



AS ÁGUAS LAVAM A TERRA E LEVAM GRANDE TESOURO
®Lílian Maial




Todo ano, quando chove,
fica na boca esse gosto,
um medo expresso no rosto,
pavor de tudo o que move.
É o fim que não se aprove
uma lei no ano vindouro!
É preciso um suadouro
pra acabá com quem emperra:
as águas lavam a terra

e levam grande tesouro .


Os homi num toma jeito ,
faz obra em tudo que é canto,
e nada lhes causa espanto,
nem mesmo tal desrespeito.
Os homi malsatisfeito
constrói casa e atracadouro,

como se fosse calouro
deflagrando grande guerra:
as águas lavam a terra

e levam grande tesouro .


Eu num posso acreditá

num tremendo despautério,
inté causo de adultério
se arresorve sem matá,
intão, praquê martratá
a terra – bem duradouro -
incitando o atoladouro
e todo o mal que se encerra:
as águas lavam a terra

e levam grande tesouro .


A natureza num pensa
no que pode acontecê,
é fresquinha, igual bebê,
num faz nada por ofensa,
e nem busca recompensa,
quando cria um tragadouro,
se num tem um vertedouro,
faz caminho inté sem serra:
as águas lavam a terra

e levam grande tesouro .


Não se pode construí

nas encosta sem parede,
em muro não se põe rede,
sob risco de caí,
e pras água destruí,
num carece muito estouro,
basta que esse logradouro
arranque aquilo que emperra:
as águas lavam a terra

e levam grande tesouro .



Na virada de ano novo,
nesse tar de reveião,
o céu mandou os trovão,
pramodi assustá o povo.
Mas a cantiga do corvo,
passarim de mau agouro,
fez tremê o ancoradouro,

sob o solo a vida encerra:
as águas lavam a terra

e levam grande tesouro .

 

As família sem seus fio,

sem o teto e sem futuro,

choram lágrimas no escuro,

num lamento tão sombrio,

de provocá calafrio,

perdê tudim e sem louro.

De repente, o escoadouro

da vida e tudo se ferra:

as águas lavam a terra

e levam grande tesouro .

 

Peço força pr’eles tudo,

muita luz, muita corage,

que essa vida é só passage,

que esse mundo é cabeludo.

Mesmo pra quem tem estudo,

quem tem grana, quem tem ouro,

nada disso amansa o touro,

quando a dor no peito berra:

as águas lavam a terra

e levam grande tesouro .

 

**************

Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 04/01/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet