Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Textos



PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE CRAVOS...
(aos amigos portugueses)

®Lílian Maial
 
 
E desce a foice,  
encoberta pelos hábitos, caldos e migalhas.
Decepa cabeças e troncos,
destrói o milho,
que não espera a desfolhada.
 
Um vulto negro sobrevoa tilintando o poder,
entrelaçado de artimanhas,
num debilitar de conquistas,
até o sórdido aquiescer dos silêncios.
 
Onde os direitos fundamentais,
a resistência, os trabalhadores?
O manto oculta as violações,
os saques, o sonho de democracia.

Era apenas abril,

mas o céu trazia a promessa de farta colheita,
o cheiro de vida e futuro.
Hoje resta o discurso e o fosso,
Que enterra a paz social e as liberdades.

O sangue ainda tinge o cravo,

mas a tirania do ouro empalidece a tez da igualdade,
numa revolução fictícia e benta de interesses.

Sinuoso monstro de feições conhecidas,

o verme capitalista devora lentamente
o grito de Abril.

O trabalhador carrega o fardo

e depõe as armas, a voz, a força,
acuado por fantasma que arrasta correntes alheias.
 
Novamente é Abril
e o povo sabe.
Navegar é preciso.
Mudar é preciso.
Muda o rumo, a esperança, a justiça!
 
A mentira é prato forte da serpente política.
A batina esconde a venda e a fortuna.
E não há anjo da reconciliação de classes!
 
Fome e miséria não esperam,
e os pobres já não querem mais se alimentar
apenas do suficiente para continuarem
escravos dos seus senhores...
 
***********
 

 
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 25/04/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet