Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Meu Diário
27/02/2011 14h39
LIBERDADE


 LIBERDADE
Por Lílian Maial

 


 

Amanhece, e essa avalanche de azul invade o quarto.

Como um mini-exército de criaturinhas celestes, forçando a abertura das minhas sonolentas pálpebras, a manhã me acorda sorridente, bagunceira, espaçosa, e nada me resta, senão devolver-lhe o “bom dia”.

Custo um pouco a levantar, nessa preguiça empenada, que me impede de correr para a varanda e alcançar os beija-flores.

Com um pé de chinelo e o outro descalço (com crianças em casa, nunca se acha o outro pé), afasto as cortinas e percebo o despertar de mais um dia.

 

Deixo-me embriagar pelos sentidos: sinto o cheiro da manhã, aquela sensação de flor e café quentinho; vejo o movimento sorrateiro dos vizinhos, provavelmente com a mesma moleza das manhãs de outono; noto o calor dos primeiros raios de sol, e permito-me envolver por inteiro; converso com as plantas e os passarinhos, que me encaram com seus bicos úmidos de flores, atrevidos colibris, pairando no ar e me desafiando a voar; tenho o gosto da alegria a escorrer pelos cantos da boca, nesse riso rasgado que não me contém.

Espreguiço ou, como preferem alguns, me alongo toda, me espicho, me estalo, cada junta parece feliz e elástica.

Tenho vontade de dançar. Há música em meus ouvidos, talvez no coração.

Há vida. Estou viva, pronta para mais um dia.

Debruço um pouquinho e quase quero me jogar na suave brisa de junho.

Namoro crianças risonhas em seus carrinhos na calçada (elas me entendem, cúmplices).

Tento alcançar o fim do céu a olho nu e, nesse instante, mergulho no infinito. E sou livre.

 

Não há sensação melhor no mundo que a liberdade.

Sou livre para pensar, para querer, para sentir. Não há o que me proíba de ser.

 

E olho minhas mãos. O quão livres são minhas mãos?

Essas mãos que já pediram colo, que já passearam pelo rosto e cabelos de minha mãe. Que já se cruzaram nas costas, escondendo as artes do papai, e que também o vestiram e cruzaram as suas, em seu derradeiro adeus. Essas mãos que já amaram, que já procuraram os caminhos do prazer, que já se deram a outras mãos, em comunhão. Que já ampararam, acariciaram, cuidaram e deram segurança a cada filho, e que também os soltaram, para que aprendessem seus próprios caminhos e acreditassem em suas próprias mãos. Essas mãos que já curaram, confortaram e fecharam as pálpebras de tantos pacientes. Essas que já escreveram os mais belos poemas e as mais amargas cartas de solidão. Essas que ainda procuram e procuram e procuram, porque são livres para procurar.

 

Sim, não há nada que substitua a liberdade.

Pode-se perder uma parte do corpo, um grande amor, a família, o emprego, o sucesso, o trem. A tudo se supera, se adapta. Mas não se pode perder a liberdade, pois é através dela que se entende a vida, que se pode ter esperança de que, um dia, se possa ser realmente livre.

 

Há os que não compreendem a liberdade, que acreditam que ela é uma opção. Tolos! A liberdade é o único bem que já nasce conosco, sem nenhum tipo de taxa ou dízimo. Inúmeros políticos, ditadores, líderes religiosos e legisladores tentaram cercear a liberdade, mas não conseguiram: ela está em nossa mente.

O homem é livre, por natureza, e qualquer clausura, até aquela que se mascara de amor, de proteção, de ciúme, é daninha, é perversa e cruel.

 

Nada no mundo vale a liberdade. Nada!

 

Volto da viagem ao infinito do céu, esbarrando naquela nuvem em formato de travesseiro, e deixo-me descansar, fitando as mãos. Percebo uma pelinha ali no cantinho da unha, e lembro-me da hora na manicure. E ainda tenho que comprar o pão, esquentar o leite, fazer o café e cortar o mamão.

 

 

*************************


  



                            



 



 





  





 


 


Publicado por Lílian Maial em 27/02/2011 às 14h39
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet