Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Meu Diário
06/07/2010 15h26
E AGORA? ACABOU A COPA...

E AGORA? ACABOU A COPA...
®Lílian Maial
 


 

Assistirei, dentro de alguns minutos, à partida Holanda x Uruguai, pelas semifinais da Copa do Mundo 2010. Tudo bem, jogo da Copa, equipes tensas, times bons, interessante... 

Mas falta alguma coisa. Alguma coisa verde e amarela. Alguma coisa que inflama, que bole com a gente, que mobiliza o país inteiro! Alguma coisa que suplanta até os “chatos-de-plantão”, aqueles “antenados”, sérios, seres humanos superiores, que só pensam nos dias em que se trabalhou menos, os pensadores das desgraças, filósofos do nada, que sempre têm um amargor insuportável (até para eles mesmos), e que não toleram um rasgo de alegria na face do outro.

Não adianta, queridos! O mundo sempre continuará o mesmo 365 dias por ano, tendo ou não Brasil na Copa!

E ninguém quer isso o ano inteiro, ano após ano, quer? As mazelas são velhas conhecidas de todos os povos, notadamente dos menos favorecidos, mas, seguramente, eles abrem mão de tudo, até de comer, para terem alguns momentos de êxtase, para torcerem por seus sonhos, personificados naquelas partidas de 90 minutos em onze elementos esquisitos, muitos deles broncos, sem berço, sem instrução, polêmicos, chacoteados, mas todos, sem dúvida, idolatrados durante os jogos, ainda mais se acertarem algum passe, fizerem algum gol, ou alguma defesa brilhante.  A seleção de futebol é uma verdadeira seleção do que guardamos de alegria lá no fundo, do não sei o quê que tiramos da cartola, desse sentimento indescritível, mas que qualquer criança sabe o que é.

Não é só o Brasil que pára, é o mundo! É comemoração por toda a parte!

Se observarmos as pessoas que universalmente se espremem, se fantasiam, se pintam, se preparam, num ritual de alegria, alucinação e alienação, veremos que são de cores diferentes, de semblantes e idades diversas, línguas ininteligíveis, e que estão como que drogados pela droga mais potente de todas: a disputa. É na disputa que se depositam as esperanças, os sonhos, os anseios mais íntimos e menos confessáveis da humanidade. E o futebol, naquelas 22 pernas, é o instrumento, a materialização da vitória possível, mesmo que numa vida impossível de se vencer.

São 90 minutos (ou mais) de expectativa, de concentração de energia, de vibração com alguma coisa coletiva, que nos identifica, sem distinção de poder aquisitivo, de raça, de credo e de sexo. O esporte nivela as diferenças, e o futebol é mundialmente o rei dos esportes. Você olha para o torcedor ao seu lado e vibra com ele, sem nunca tê-lo visto antes, com um sorriso de cumplicidade, numa parceria intuitiva! Você não sabe nada daquele sujeito, mas gosta dele por saber que ambos querem a mesma coisa, que vestem a mesma camisa.

Otto Lara Resende dizia que “o mineiro só é solidário no câncer”, e eu digo: “o mundo só se reúne no futebol, na Copa do Mundo”.

O país se junta, o mundo se irmana e, de repente, tudo acaba. Para onde foi a energia de dias atrás? Por que essa tristeza e esse desânimo súbito?

Perdemos a Copa. Perdemos um sonho. Escapamos por pouco de ver Maradona pelado! Bobagem! Não perdemos nada de importante, é certo. Nada como um ente querido, ou um membro do corpo, ou a própria vida. É. Pensando assim, tudo não passa de uma bobagem sem maiores significados, de um circo, um nonsense, uma histeria coletiva ilógica.

Alguns pensam assim. Muitos, inclusive, se perguntam a razão de tanta paixão, de tanto gasto, de tanta mobilização. Lembrarão que o mundo atravessa crises, aquecimento global, terrorismo, epidemias, catástrofes! Sim, sem dúvida, mas não será exatamente por isto que se precisa de um ópio universal? Aí os torcedores se contagiam com esse pensamento de inutilidade, e se voltam para os crimes, as infrações, a eterna solidão do ser humano. Mas, por sorte, somente até a próxima Copa. Porque quando 2014 chegar, não tem pra ninguém: o hexa é nosso!

 
**********************************


Publicado por Lílian Maial em 06/07/2010 às 15h26
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet