Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Meu Diário
22/05/2010 17h23
CAVALEIRO DOS SONHOS
CAVALEIRO DOS SONHOS
Lílian Maial

 
 
Foi numa tarde de inverno, com o céu claro, ensolarado, algo embaçado, talvez, que ele chegou a mim pela primeira vez.
Veio lindo, alto, forte, com seu porte de dono de mim, sem dizer seu nome, ou lugar, sem pedir permissão para entrar.
Veio invadindo, com seus olhos de "deixa ficar", com seu jeito de "te quero bem", com sua conversa de "sempre te esperei".

Em tudo se parecia com quem sempre sonhei, em tudo queria se fazer parecer.
Era meigo, preocupado, gentil, carinhoso.
Era doce e sensual, moreno e agressivo.
Sua imagem lembrava a de um guerreiro primitivo, porém com a gentileza de um nobre.

Impossível resistir a tantos encantos.
Impossível não querer viver esse sonho.

E, dessa maneira insidiosa, ele foi ficando, preenchendo meus dias e noites, trazendo paz e plenitude a meus anseios febris.
Não havia planos, apenas agoras, momentos.
E, se depois acordasse no meio da noite, só e no escuro, ainda teria o brilho dos olhos de meu cavaleiro. O cavaleiro dos sonhos, da menina-mulher, que fora um dia.
 
E meu cavaleiro ficou, e comigo desbravou matas e mares, abriu caminhos na terra, galopou nos ventos, voou com os pássaros, amou na relva, dançou na chuva, sorriu no fogo, cantou na rua, gritou meu nome, me fez feliz.
E nada cobrava, apenas me olhava, e repetia em seus gestos, o toque de Deus.
E me senti amada, desejada, importante, mulher.
E então não quis mais acordar, porque meu cavaleiro me bastava, nada mais poderia ser melhor que meu sonho.
Vivemos assim, uma noite, uma era, tão longa espera, agora com vida, agora tão intenso, que não quero mais nada.
 
Mas a vida tem muitas surpresas, e meu cavaleiro de sonho, não seria diferente...

Por mais que eu quisesse, os sonhos acabam, e meu cavaleiro deixou de lutar.  Não viu o inimigo, não viu o manto da noite, deixou-se enlevar, talvez, por meus cantos, talvez por meus versos, talvez por deixar...

Num dia de cinza, de céu encoberto, de sons estridentes, sem vento e sem cor, abri os meus olhos e não vi mais seu brilho, não vi mais seus olhos, não vi meu amor...
 
Onde foi, cavaleiro, que perdemos o rumo? Diga-me de novo, me ensina a voltar. Quero rir, ver a vida com tons cor-de-rosa, quero verso e prosa, quero alguém a cantar.

Ah, meu senhor, de esporas de prata, de espada de luta, de coração de leão... me abraça bem forte, me beija de novo, que eu quero dormir, para tê-lo em meus braços, que preciso dormir para de novo sonhar!
 
 
Lílian Maial
maio/98.


 
 
 

Publicado por Lílian Maial em 22/05/2010 às 17h23
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet