Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Meu Diário
08/02/2009 16h48
ONDE O AMOR SE ESCONDE

®Lílian Maial



Hoje acordei com o amor na cabeça. Sim, porque geralmente se está com o amor no coração, porém, hoje acordei pensando sobre onde se esconderia o amor. E fiz um poema, um soneto. Mas faltava mais, queria filosofar, trocar idéias com meus pensamentos.
Não é no coração, posto que, embora o sangue ali circule, este se renova a cada três meses, muda, recicla.
Não seria, decerto, atrás da porta, onde as palavras se retraem, onde as lágrimas brotam, deitam e rolam, onde os dedos traem e os versos confessam a dor.
Talvez atrás do sol, bem junto à linha do horizonte. Neste caso, mais próximo dos surfistas, dos viajantes e dos náufragos.
Não! O amor não vive nos naufrágios, apesar de, a eles, sobreviver, por entre medos e pesares, por entre orvalhos na face.
Sempre se espera que o amor desponte, de pronto, e que todos os males, todas  as trevas se dissipem, por entre aléias do destino à doce fonte.
Mas o amor não se busca no tempo e espaço, porque o amor, como o universo, não cabe numa vaga, num contorno. O amor tem a medida de um abraço,  o tamanho da eternidade e a distância de um adeus.
Então, como se saber se o encontrou, se é o certo e o duradouro?

Ah! E o que, nesta visa, é duradouro, se já se nasce sabendo da morte?
Não, o amor não está na cabeça, no coração, ou em qualquer parte palpável ou presumível.
Ele se mistura à prórpia razão (ou falta) da existência. Nasce sem se saber a causa e, muitas vezes, se esconde sem que se conheça os motivos. Mas está lá, e lá estará para sempre.
Talvez não nasça, apenas nos toque, por já estar lá desde o começo de tudo.
Ele é tão grande, que a verdade vem à tona: o amor é eterno, e, talvez, senão o próprio, a expressão maior de Deus.

**************


Publicado por Lílian Maial em 08/02/2009 às 16h48
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
30/01/2009 21h14
A PAZ VOLTOU?

A PAZ VOLTOU?


Publicado por Lílian Maial em 30/01/2009 às 21h14
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
30/01/2009 00h04
MULHERES TOTALMENTE BOAS?

 
®Lílian Maial
 
 
 

      Gosto de passear por blogs, quando posso, principalmente os de literatura, de poetas novos, onde descubro universos tão semelhantes ao meu e, ao mesmo tempo, tão distintos. Isso a internet tem de bom, me permitindo viajar por corações e mentes com facilidade e à hora que eu bem entender.
      Chato é quando me deparo com corações estranhos e mentes esquisitas. Dia desses, entrei num blog que me foi muito recomendado, de poesias gostosas de se ler, atuais, antenadas, mas me decepcionei bastante, por conta de textos e comentários preconceituosos. O pior deles: “não creio em mulheres totalmente boas”.
       Vindo de uma mulher, isso me deixou perplexa! 
      Tudo bem ser fêmea, ser livre e independente. Tudo bem fazer escolhas e ter opções, mas não se pode ignorar a natureza e, muito menos, criticar quem justamente fez sua opção diferente da nossa.
      Mas não pára por aí. Me deu um desconforto muito grande verificar que, até entre poetas e escritores - pessoas que deveriam ter maior sensibilidade e uso consciente da palavra – habitam sentimentos patéticos e elitistas.
      Não suporto o preconceito de pessoas que não aceitam as opções alheias. Se há quem curta dietas rígidas, que mal há na opção de não ligar para a aparência e ficar acima do peso estético? Se há a opção pelo casamento, por filhos, por que não se pode querer ser só? Se há alisamento de cabelos, por que não se pode querer tê-los crespos? E por que não o oposto?
      Tenho ojeriza a pseudo-liberais, a gente contrária a tudo e a todos, apenas porque ainda não encontrou seu caminho e sua identidade.
Pode tranquilamente haver conciliação entre idéias feministas e o prazer de cozinhar para quem se  ama. É perfeitamente cabível ser independente, ter uma carreira brilhante, e chorar bem de mansinho, sem ninguém saber o porquê.
      Me deprimem mulheres que disputam com outras a beleza, a elegância, a inteligência e a popularidade, só para arrotarem uma superioridade que sabem, no íntimo, que não têm.
      Me deixam doente as que fingem orgasmos, as que sorriem de aparência, as que agridem quem não conseguem vencer no argumento.
Me assustam as mulheres muito perfeitas, que pensam que a felicidade é uma roupa nova, que se troca quando se enjoa ou sai de moda.
      Tenho pena das muito piedosas e santas, que não gozam e preferem apagar a luz.
      Não suporto as que não toleram!
      Não tolero as que não suportam!
      Tenho medo das que dividem o mundo entre feio e bonito, e se perdem no infinito abismo entre essas duas palavras. Há sempre o dia da solidão.
      Desconfio das que se escondem sob o véu da inteligência, que certamente escondem um medo interior de fracasso.
      Mulher sem idade, sem dramas, dona das vontades, que diz o que pensa e não aceita que os outros diferentes? Sei...   Não defini se é imaturidade, preconceito, presunção ou apenas querer chamar a atenção, se fazendo passar por modernosa.
       Mulher-espinho? Não! Definitivamente eu prefiro a rosa!
 
*************
 


Publicado por Lílian Maial em 30/01/2009 às 00h04
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
21/01/2009 16h09
AMOR(TE) - poema de um poeta anônimo

AMOR(TE)

JST

 

Quisera compreender exatamente isto tudo:

as perdas, as cisões, os dias em que durmo e acordo,

os dias em que apenas durmo e acordo!


Quisera compreender o vazio que se impõe dentro da minha alma,

aquela esperança meio existencialista de Camus,

de que viver seria bom,

e morrer também não seria mau.

 

Um grande pedaço se foi por aí,

pelas estrelas, talvez...

Pelas noites indagadas, sem uma resposta qualquer.

Perguntar para a noite, para a escuridão cega e muda é bom,

a resposta não chega, o que responde é a alma, a solidão perene,

que se eterniza nas noites insones repletas de recordações,

ou nas coisas que rapto para me lembrar do que foi minha vida,

e me banhar, mesmo que por alguns instantes,

do brilho ofuscado das estrelas,

pelo sentimento de um grande coração.

 

Resta-me viver do amor jé vivido e sentido,

como que me encobrindo feito um manto

e me fazer, ainda hoje, um ser humano pulsando!

 

Resta-me viver do sonho que nunca deixa de ser sonhado.

Maldita dor, que me consome e que encubro,

por dentro do casulo hermético - que é meu corpo -

couraça maldita que me proteje e me consome,

não tendo poros ou aberturas para um alívio sequer!

 

Há o vazio imenso, intransponível!

Uma condenação ou uma danação,

legado de nós dois,

sem saída,

nem para mim,

nem para você.


**************


Publicado por Lílian Maial em 21/01/2009 às 16h09
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
11/01/2009 17h09
PAZ EM GAZA, PARA TER PAZ EM CASA!
 
®Lílian Maial
 
 
Parem tudo!

Não podemos ficar de braços cruzados diante da chacina!

Não importa se é lá longe, se é por razões que não entendemos, se não nos diz respeito. Espera aí! Como não nos diz respeito? Somos todos a mesma coisa, da mesma espécie: pele e osso, sangue e lágrima, vida que faz vida. Não podemos ficar impassíveis diante de qualquer horror! Não podemos ter paz na nossa casa, se há tanta desumanidade em Gaza (ou qualquer outro lugar).

Não importa quem tem razão. Interessa apenas que as pessoas estão vivendo à beira da morte, semanas de desespero, sem conseguirem comer, dormir, trabalhar, ter privacidade, dignidade. Sequer socorro médico conseguem! A razão se discute, se argumenta, mas a chacina precisa de medidas urgentes e de todo o planeta!

Já se imaginaram no lugar daquelas pessoas? Já pensaram que poderia ser aqui, e que o resto do mundo estaria assistindo, sem nada fazer? Será que isso já não aconteceu antes, e nos causa espécie até hoje?

Como pode? Século XXI e nada mudou? As cidades sendo bombardeadas e o resto do mundo preocupado com a crise, com moda, com artistas, com festas e viagens, e as pessoas sendo mortas aos montes, sem que o resto do mundo faça nada? Onde estão os governos? Onde estão os embaixadores, cônsules, representantes da ONU? Então vai ficar tudo por isso mesmo? Por que o mundo não bloqueia o comércio com os países implicados, como já fizeram com Cuba? Por que não há mais rigor no trato com Israel?

É preciso que nós pressionemos nossos governos para que tomem posição, façam algo! Não acredito que poetas, escritores e pensadores achem tudo muito natural e fiquem quietos. Temos a palavra, o poder de divulgação, temos nossa opinião, temos o dever de alertar e instruir a população! Que acionemos nossos grupos de poesia, nossos conhecidos do governo, nossos amigos, para que internacionalmente façamos algo em relação ao que está acontecendo em Gaza.

É desestimulante assistir a tudo isso pela TV, sabermos de crianças e velhos sendo massacrados, mães chorando os filhos, jovens empunhando a morte, sem opção. Mas é muito pior viver tudo isso! É infinitamente mais aterrorizante ver a dilaceração e ouvir a dor do sofrimento humano.

Não podemos ficar de braços cruzados diante de um novo holocausto!
Tomo a liberdade de convocar todos os poetas e escritores para – por uma semana que seja – pararem de enviar poemas ou textos de qualquer outro tema, para todos os sites e blogs, que não seja sobre a necessidade urgente de PAZ em Gaza.

E que divulguem!

Façamos uma corrente de PAZ para todo o mundo, e que comovamos os governantes para que EXIJAM o cessar-fogo imediato em Gaza!

Vamos mostrar o poder da palavra, o poder da internet, o poder do ser humano de ser humano.

PAZ EM GAZA, PARA TER PAZ EM CASA!
 
**************

Publicado por Lílian Maial em 11/01/2009 às 17h09
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 20 de 37 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet