Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Meu Diário
26/04/2009 23h02
TEMPO
 Tempo
®Lílian Maial
 

 
Existe essa compulsão universal, essa quase obrigação de se fazer sempre alguma coisa, de se “aproveitar o tempo”.
Há tempo para tudo, menos para ter tempo.

Tem dias que eu simplesmente não quero fazer nada com meu tempo, apenas não dar bola para ele, deixar que passe, enquanto não faço absolutamente nada. Nada mesmo. Sequer penso. Me esqueço de qualquer coisa que possa me lembrar qualquer atividade ou preocupação.

Antes, quando mais novinha, eu ficava sozinha no quarto e me desligava do mundo lá de fora, me concentrando no daqui de dentro. E pensava, colocava as ideias (agora sem acento) em ordem, articulava esquemas para a semana, de forma que não faltasse tempo e que nada ficasse sem a devida atenção. Eu gastava o meu tempo livre pensando no tempo! Ele sempre me fascinou. Passei anos da minha vida, quiçá décadas, intrigada com sua passagem e as transformações pelas quais passamos.

Quando se é muito jovem, o tempo não preocupa tanto, não costumamos pensar nele. Eu já pensava, porque não entendia direito o que, afinal, eu fazia neste mundo. Por que vim? De onde vim? Sou só isso ou tudo isso?

Mais tarde, quando nos sobrevêm as primeiras perdas, começamos a pensar mais demoradamente no tempo, no tempo que ainda teremos com nossos familiares, amigos, tempo de programar a vida (não é estranho?), de alcançar o sucesso, de chegar no futuro. E esquecemos do mais importante: não existe futuro. O futuro de todos é o fim. Não há escapatória, e talvez não haja, mesmo, do que escapar. Pode haver disfarces, subterfúgios, outra vida, alma eterna, tudo bem, que seja! Mas a vida que conhecemos, a pessoa que somos, no corpo que vemos todos os dias, essa acaba quando o organismo se deteriora. É inexorável. E não se trata de credo (ou falta dele), de cor de pele, de poder aquisitivo, de idioma, de iluminação. Trata-se de princípio e fim.

Portanto, o tempo que temos e conhecemos nada mais é do que um hiato entre o início e o final. Perdemos muito tempo tentando driblar o tempo, ao invés de relaxar e observar o que nos cerca, e de viver.

Não dá. Já tentei. No fundo, passamos a vida querendo segurar o tempo de alguma forma, prolongando ao máximo a juventude, criando métodos, treinando a memória, gastando fortunas em cremes, medicamentos e terapias.

Se colocarmos a lógica para funcionar, o ser humano não foi projetado para durar mais de 40 anos (e olha que é chão...). Qualquer tempo depois disso é lucro (ou um terrível prejuízo, porque é justamente a partir daí que vem esse frisson de frear o tempo).

A Medicina evolui, mas a Natureza é maior. Logo chegam novos vírus, novas catástrofes, guerras, devastações. Homem lutando contra homem, no lugar de festejarem - juntos - o tempo que ainda têm.

Dia desses cheguei a pensar que os artistas, de maneira geral, têm a necessidade desesperada de sobrepujar o tempo, deixando sua arte impressa em livros, em discos, em esculturas, pinturas, filmes. O poeta se eterniza em versos. A palavra – tijolinho da comunicação – vence o tempo, na medida em que perpetua um nome, uma pessoa, uma obra.

É, artistas vencem o tempo. E o que seria dos artistas, se não houvesse o público? Então é o público, o cidadão comum quem perpetua o artista e, destarte, vence o tempo.

É tempo de parar por aqui. Tô com sono.
Boa noite!
 
**********

 

Publicado por Lílian Maial em 26/04/2009 às 23h02
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
25/04/2009 18h33
Aos amigos portugueses e brasileiros
Hoje é 25 de abril, e precisamos relembrar sempre datas como esta.
Em Portugal, comemora-se neste dia a "Revolução dos Cravos", que foi como ficou conhecida a queda do regime ditatorial de Salazar, com o apoio popular e de militares intermediários (MFA).
A revolução portuguesa ocorreu quase que simultaneamente à nossa "abertura", e certamente teve íntima relação com ela.
Lá, com aqui, a revolução não conseguiu atingir a plenitude de seus objetivos, pois que a ambição capitalista, a política mentirosa e a igreja, com seus interesses financeiros, acabaram por deixar distantes os verdadeiros ideiais revolucionáriosm de igualdade de oportunidades aos trabalhadores e a toda a população.
A crise mundial não é a responsável, mas coloca em evidência a pobreza de cada povo, exacerbando a face mais sofrida do páis.
Em homenagem aos amigos portugueses e para chamar a atenção do povo brasileiro, transcrevo este meu poema:


PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE CRAVOS...
(aos amigos portugueses)
®Lílian Maial
 
 
E desce a foice,  
encoberta pelos hábitos, caldos e migalhas.
Decepa cabeças e troncos,
destrói o milho,
que não espera a desfolhada.
 
Um vulto negro sobrevoa tilintando o poder,
entrelaçado de artimanhas,
num debilitar de conquistas,
até o sórdido aquiescer dos silêncios.
 
Onde os direitos fundamentais,
a resistência, os trabalhadores?
O manto oculta as violações,
os saques, o sonho de democracia.

Era apenas abril,

mas o céu trazia a promessa de farta colheita,
o cheiro de vida e futuro.
Hoje resta o discurso e o fosso,
Que enterra a paz social e as liberdades.

O sangue ainda tinge o cravo,

mas a tirania do ouro empalidece a tez da igualdade,
numa revolução fictícia e benta de interesses.

Sinuoso monstro de feições conhecidas,

o verme capitalista devora lentamente
o grito de Abril.

O trabalhador carrega o fardo

e depõe as armas, a voz, a força,
acuado por fantasma que arrasta correntes alheias.
 
Novamente é Abril
e o povo sabe.
Navegar é preciso.
Mudar é preciso.
Muda o rumo, a esperança, a justiça!
 
A mentira é prato forte da serpente política.
A batina esconde a venda e a fortuna.
E não há anjo da reconciliação de classes!
 
Fome e miséria não esperam,
e os pobres já não querem mais se alimentar
apenas do suficiente para continuarem
escravos dos seus senhores...
 
***********
 

Publicado por Lílian Maial em 25/04/2009 às 18h33
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
23/04/2009 18h33
Bienal do Livro da Bahia
 
Cheguei de Salvador encantada com a hospitalidade e o carinho com que fui recebida, notadamente pela amiga Sandra Mamede e seu filho, que me ciceronearam por pontos da cidade que turista não costuma conhecer, e seu esposo, uma simpatia de pessoa, de um humor fenomenal. Deixo expresso meus agradecimentos e minha comoção.
 
A Bienal foi maravilhosa, e a comemoração pelos 10 anos do Poetrix não poderia ter iniciado de forma melhor, no restaurante Bambara, na praia da Armação, com música ao vivo, e a presença de Rose Rosas (da antologia Pórtico), de Reneu Berni e sua esposa "tagarela" (uma simpatia de mulher, mas que não abria a boca de jeito nenhum), do querido Oswaldo Martins, que generosamente ofertou, aos que ali se encontravam, uma série de livros seus de poetrix, sonetos e contos, da Jussara Midlej e seu queridíssimo esposo Wilsinho, pessoas que eu já tinha tido o prazer de conhecer, mas de quem estava com muita saudade, do Beto Quelhas (que é de Sampa, morou em Portugal algum tempo, e que agora está no Rio, minha cidade, mas que nunca vejo, e que fui ver somente na Bahia - coisa mágica), da Sandra Mamede e seu esposo, que gentilmente me deram carona até o Centro de Convenções, onde ocorria a Bienal do Livro, e do meu, do seu, do nosso Goulart Gomes - organizador da antologia e "painho" do Poetrix! Foi uma efeméride juntar tantos poetas, numa energia baiana de causar inveja a carioca!
Amei estar com todos vocês, queridos!
Os que não puderam comparecer não foram esquecidos, e todos nos lembramos o tempo todo de nossos amigos poetas.
 
No Centro de Convenções a Bienal fervia. O estande da Livro.com estava muito graciosamente arrumado, com destaque para as antologias Poetrix e Pórtico, ambas muito bem acabadas, vistosas e guardando talentos incríveis em suas páginas.
Como Goulart estava compromissado no Cafe Literário (gente coisa é outra fina...), eu, Sandra Mamede, Jussara Midlej, Beto Quelhas e Reneu Berni fomos animar o palco da "Praça do Cordel e da Poesia" - local reservado para a apresentação de poetas, escritores, cordelistas, além da leitura e declamação de seus trabalhos.
Jussara iniciou falando do poetrix e sua caminhada até os nossos dias. Depois lemos nossos poetrix e dos amigos da antologia, que não estavam presentes em carne e osso, mas, ali, juntinho de nós, em pensamento e companheirismo. Lemos poetrix de Marilda Confortin, Regina Lyra, Mardilê Fabre, Tasso Rossi, Martinho Branco, Marco Bastos, Anthero Monteiro, Aila Magalhães, Goulart Gomes, Hércio Afonso, Pedro Cardoso, Rosa Pena, enfim, de todos os poetrixtas da edição. Foram todos muito aplaudidos.
O clima foi descontraído, com a seriedade necessária e a brincadeira em dose certa, para a devida interação com o público.
 
A certa altura, sugeri que a plateia participasse, escrevendo poetrix e nos enviando para a leitura em tempo real, e recebemos poetrix lindos de crianças talentosas, escrevendo como gente grande, de um "poeta anônimo" local, que queria fazer propaganda de seus livros, e até de um cordelista, que iria se apresentar logo a seguir. Foi delirante! Uma emoção sem par!
Fomos fotografados e filmados, e alguns de nós demos entrevistas para divulgação.
Mais ao final, o Marco Bastos chegou e subiu ao palco, lendo poetrix seus e espalhando sua simpatia por todos nós.
 
Em seguida à nossa apresentação, veio a apresentação do grupo da Antologia Pórtico, da qual Reneu também faz parte, e eles igualmente brilharam com seus poemas belíssimos, com aceitação maciça, e com uma vendagem animadora no estande.
Tive a oportunidade de conhecer, ainda, a Martha Galrão, que é uma pessoa linda, como tudo o que escreve, e cheia de fãs baianos!
Conheci muitos outros poetas baianos e gente com a poesia entranhada até à alma!
 
Enfim, foi uma delícia, e espero ainda ter o prazer de repetir a dose na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, onde Goulart está cavando um espaço para nossas antologias. Vamos torcer!
 
Bem, gente, é isso. 

Ah! Hoje é dia de São Jorge. Salve Jorge!

*****************

Publicado por Lílian Maial em 23/04/2009 às 18h33
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
29/03/2009 15h58
Lugar Luminoso, Praia Azul, Vista do Lago: Copacabana
Lugar Luminoso*, Praia Azul*, Vista do Lago*:  Copacabana
®Lílian Maial
 
 
Hoje, após mais um longo passeio, vou escrever sobre um dos bairros mais conhecidos do Rio de Janeiro: Copacabana.
Está aí um bairro que contém inúmeros bairros! Temos o Leme (vizinho), o Lido e o  Bairro Peixoto. São várias Copacabanas dentro de Copacabana.


Copacabana é um centro nervoso, onde se espremem turismo, comércio, praia, superpopulação, prédios antigos e tradicionais, com edifícios do tipo cabeça-de-porco, consultórios, academias, mais comércio, mais turistas, hotéis em profusão, pessoas de todos os tipos, etnias e formas de se vestir e se comunicar, e um burburinho enlouquecedor de gente e de vida, que precisa estar atento para desviar de dejetos. É um dos bairros com maior número de cachorros por metro quadrado!
Copacabana é um vício, uma praga, uma maldição e o paraíso.


Não dá para se diferenciar alguém louco de alguém normal, ou de alguém apenas diferente, em Copacabana. Aqui todos são diferentes de tudo, O bairrro é diferente. Só caminhando por suas ruas para entender.



O centro comercial de Copacabana se estende pelas duas mais famosas e movimentadas  ruas do bairro: Avenida Nossa Senhora de Copacabana e Rua Barata Ribeiro. Ali tudo circula, tudo se acha, tudo se perde e tudo se acostuma. Você olha e não acredita em tanta gente, tanta loucura, tanta informação para tão curto espaço físico! Mas todas as pessoas acabam procurando o que querem em Copacabana.


Numa das extremidades, está o Bairro Peixoto, que é uma gracinha! Parece uma pacata pracinha do interior, roadeada de ruas arborizadas e silenciosas, por onde não trafegam ônibus, o que lhe dá uma aparência de paz e tranquilidade, e onde brincam felizes crianças e suas mães e babás. Também, a não existência de comércio naquele trechinho de Copacabana que se recusa e avançar no tempo, confere um ar recatado e pouco povoado, com prédios de gabarito baixo, quase todos de estilo antigo, sem garagem, e com aquelas inconfundíveis persianas de madeira acopladas à janela de erguer. É um pedaço nostálgico de Copacabana, cujos habitantes são, em sua maioria, da terceira idade.


Interessante observar, por exemplo, que a rua que abriga uma das mais conhecidas sinagogas do bairro (Copacabana é um bairro tyradicionalmente de comunidade judaica), tem seu nome de Capelão Álvares da Silva. Só mesmo em Copacabana...


Passeando no calçadão da Avenida Atlântica, você tem a exata sensação de estar em outro país. Tem mais pessoas com aparência estrangeira, do que nativos. Carros luxuosos, apartamentos sofisticados, gente bonita, sol e mar, e uma interminável legião de quiosques e barzinhos a cada cem metros.


No Lido, onde fica situado um dos melhores restaurantes de comida árabe do Rio, as crianças ainda brincam, em meio a pedintes e banhistas regressando do mar, andando seminus pelas ruas, deixando rastros de areia e alegria.


 
Mais para o Leme, há o contraste da malandragem, do submundo e da exploração, com a população nativa de menor poder aquisitivo, salpicado de construções art dèco fartamente distribuídas pelas imediações.



Só mesmo no Leme se pode ver, de um lado da calçada, um grupo de homens na porta de um botequim, jogando cartas e bebendo quase sem roupa, não aliviando nem a mulher que passa acompanhada, e, do outro lado, duas amigas espremendo espinhas e cravos em plena esquina, ao sol do meio-dia!


Copacabana é isso aí: uma miscelânea incrível de tipos e estados de espírito, que fazem da eterna Princesinha do Mar a verdadeira rainha da orla carioca.
 
 
******************
 

*todos esses são traduções de possíveis origens do nome Copacabana

Publicado por Lílian Maial em 29/03/2009 às 15h58
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
22/03/2009 22h50
SILÊNCIOS

Silêncios
®Lílian Maial

 
 
Os silêncios são uma forma de comunicação. E não há um silêncio, há silêncios.
As rosas não falam”, mas os silêncios dizem muito.
Já dizia o velho ditado: “quem cala, consente”. E eu inventei um: “quem cala, sente”. E sente muito, mesmo! Ou não, como diria Caetano Veloso. Neste caso, o outro é que sente. O interlocutor idiota (nada mais idiota do que falar, falar, falar e seu ouvinte não ouvir, ou não dar a mínima, ou apenas calar)!
Silêncios podem guardar a serenidade da espera, ou a agitação da falta de notícias.
Silêncios podem significar emoção, quando não se tem palavras para expressá-la.
Podem também significar ignorância.
Podem ainda ser uma arma, um subterfúgio, uma forma de ficar neutro, de não tomar partido ou assumir uma posição.
Alguns silêncios são defensivos, quando uma simples palavra poderia desencadear uma guerra, ou exigir explicações, ou até mesmo desmacarar comportamentos suspeitos ou absolutamente cínicos.
Há silêncios com gosto de merengue, outros com sabor de lágrima, os acre-doces e os picantes. Sem falar nos nauseantes! Há silêncios para todos os gostos.
Há o silêncio das preces, da contrição, da meditação, e o silêncio da aurora.
Há os silêncios que prescindem de palavras; momentos mágicos, onde o olhar pode substituir um milhão delas. Pena que durem pouco...
Há, por outro lado, o silêncio da indiferença, quando a falta de palavras nem é intencional, na maioria das vezes, mas uma profunda lacuna entre o querer dizer e o ter o que dizer.
Há o silêncio do adeus e o silêncio da ausência.
Os silêncios podem ser moduladores de uma relação, principalmente quando são de mão dupla. Sim, porque enquanto um dos dois não silencia, sempre há a esperança de algo a ser dito, umas palavrinhas simples, um pequeno afago verbal, um adjetivozinho de nada, ou ainda um reles substantivo. Porém, quando as bocas estão seladas para o riso, para o beijo e até para as palavras, é sinal de que as boas lembranças já ficaram lá longe, o sonho se desfez, que nem nuvens esvoaçantes, e a vida segue seu curso com todos os ruídos que a fazem tão rica e, ao mesmo tempo, tão marcada por silêncios.
 
****************
 


Publicado por Lílian Maial em 22/03/2009 às 22h50
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 18 de 37 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet